HOME | SOTMB | VY.COM.BR


o problema do feminismo
terça-feira, 11 de agosto de 2015 at 10:30
0 comments

Esses dias estava lendo a Cosmo americana com a Sarah Jessica Parker na capa. Pra muita gente ela é um ícone não só de estilo, mas de vida. Ela ajudoua dar vida a uma das séries mais importantes da cultura ocidental desse último século. Sex and the City não era só uma série sobre a vida de 4 amigas. SatC é sobre a liberdade da mulher na sociedade. É girl power, sem perder o glamour.

Ai que na reportagem de capa perguntam se ela se considera feminista e ela escorrega feio, comete um erro GRAVE: diz que acha o feminismo um exagero e que não devemos lutar somente pelo empoderamento feminino, mas de negros e pobres. Por isso, ela se considera "humanista".

Acontece que o humanismo não é sobre lutar pela igualdade dos humanos na sociedade. O humanismo é sobre a capacidade do humano de controlar a própria vida sem a intervenção de uma entidade divina (na medida em que não depende de deus para conseguir o que precisa).

Já vi esse erro acontecer muitas vezes por ai, principalmente porque as pessoas tem preconceito contra a palavra "feminismo". Muita gente ainda associa a palavra a um movimento de ódio aos homens, mulheres masculinizadas e queima de sutiens. Tudo um erro de interpretação, claro. Ainda mais que existem várias linhas de feminismo, mas que acima de tudo buscam a igualdade entre os sexos. Não só homem e mulher, mas pessoas trans e de todas as raças e "cores". Não é sobre subjugar o homem, mas sobre "nivelar por cima" todo mundo, no trabalho, na cultura, na sociedade. Entender que todo mundo nasce igual e merece as mesmas oportunidades, as mesmas chances, pra se desenvolver e atingir seu potencial, sem preconceitos de gênero, de raça, de gostos, baseado somente na própria capacidade e habilidade.

Como um movimento humano, o feminismo pode ser falho, principalmente na prática do dia a dia, mas acho que o importante é tentar sempre, e aprender com os erros, estar sempre atento e aberto a críticas. No fim, todo mundo pode se tornar feminista e se aprimorar, começando pequeno, aprendendo um pouco com cada atitude pequena.

Também é importante ter em mente que o feminismo não exclui o homem. Embora suas dificuldades sejam reduzidas e diferentes, eles também sofrem com a pressão de uma sociedade que exige que sejam, ajam e sigam uma determinada regra.

É assustador que influenciadores de opinião ainda cometam esses erros de definição, mas acho que em parte também mostra como existe um movimento contrário que se aproveitam dessas interpretações erradas do feminismo. Numa sociedade individualista é difícil praticar, mas é se unindo que a gente consegue melhorar o mundo.


Marcadores: ,

that would be me. bye!

about the girl

Pode me chamar de Vy. Balzaquiana com cara de universitária. Turismóloga de formação. Rodinha não só nos pés, mas no coração também. Introvertida. Blogueira old school.

good reads

@ carol c. [rolê do amor]
@ nicas
@ nati n.
@ line
@ lari
@ lomogracinha
@ fernanda n.
@ paula b.
@ thais h.
@ tany
@ lia f. [verbo ler]
@ maria t.
@ simone pearl
@ anne r. [cat loves vinyl]
@ bruna
@ pamela
@ lecticia
@ gesiane
@ chris m.
@ meire k.
@ carlos & denise

the past



extras

the simple life