HOME | SOTMB | VY.COM.BR


#eufui: 30 seconds to mars espaço das américas
segunda-feira, 27 de outubro de 2014 at 10:30
0 comments

Eu sempre leio por ai que o 30 seconds to mars é uma banda de rock alternativo. Eu já fui em um show deles antes. Gente de preto. Um monte de pivete. E rock.

Mas isso era a era de This is War. Em 2014 eles lançaram Love Lust Faith + Dreams, um album bem... Dançante. Animado. Eletrônico. Tem algum elemento rock perdido por lá. As letras? A voz? Não sei. Mas tá lá. Perdido.

Eles voltaram para o Rock in Rio ano passado e só tocaram coisas novas. Mas até ai, achei que era porque tinham pouco tempo e tinham acabado de lançar o album novo.

Não me levem a mal, eu gosto da banda mas não sou fã de carteirinha. Quando anunciaram o show de 2014, comprei o ticket e... Esqueci dele. Até o dia que tava marcado. E por sorte fui verificar as informações na véspera e só então eu descobri que de Maio, o show tinha passado pra Outubro. Pois é. Quase esqueci dele de novo.

Cheguei no Espaço das Américas bem em cima da hora porque não tenho mais idade pra ficar esperando show de pé no meio da muvuca. Ainda assim o show começou mais de meia hora depois disso. Meia hora de observar a mesa de merchandise cheia de gente gastando dinheiro. Milhares de pessoas com coisas da banda, não só camisetas. Ok... Era show dos caras mesmo. Ainda assim é impossível não sentir que existe uma aura de culto quando se trata do 30 seconds. É como se o Jared Leto tivesse mesmo se tornado Jesus Cristo, com aquele cabelo comprido e aquela barba crescendo. As pessoas adoram tudo o que diz respeito à banda.

O show começou com o primeiro single do últmo album, Up in the Air. Boa pedida, começa o show bem pra cima, fas as pessoas pularem. E dançarem. Eu, sozinha, lá no fundo, me diverti horrores.

A setlist, como no ano passado, foi bem atual. Devem ter tocado metade do album novo, algumas coisas do album anterior e quase nada do começo da carreira deles. E a maioria dessas poucas coisas foram tocadas acústicas.

Ponto pra banda que deixou Shannon tocando L490. Não gosto dessa música, mas é a música dele, do baterista que ama café, que mal fala nas entrevistas mas ri muito. Ele podia tocar triangulo que eu acharia legal.

Das minhas favoritas, queria ouvir Bright Lights, Big City, do cd novo. E From Yesterday. E The Kill (como todo o resto do público que ficou pedindo essa o tempo todo). E Beautiful Lie. Mas essa última ele não tocou =(. Tocou Closer to the Edge pra fechar a noite, que é o que importa, ao fim.

Da outra vez que os vi, tinha saído um bafão em que o Jared teria constrangido uma fã brasileira em um show. Quando foram na MTV, a Mari Moon, que defendeu a garota, teve que cair fora por exigência do Jared. sempre soube que ele não tinha a melhor reputação em Hollywood, mas no palco ele foi mesmo um showman. E esse ano, ele foi o maior amor. O artista que a platéia venera. Professou o amor por São Paulo, a saudade do Rock in Rio, brincou com o fato de ele só falar inglês e não saber se a platéia esta entendendo, bradou o gosto pelo Açai, tirou foto e fez video da galera, chamou uma enorme galera no fim pra subir no palco. Enfim, mais do que Mr Simpatia.

Dessa vez eu não fui em um show, fui a um culto. Jared Leto tem se superado, sabe ser show man e agora, é um líder. As pessoas já o veneravam antes, agora elas o seguem. É uma experiência diferente, e olha que já fui em show de bandas de adolescente antes.

Marcadores: , , ,

that would be me. bye!

about the girl

Pode me chamar de Vy. Balzaquiana com cara de universitária. Turismóloga de formação. Rodinha não só nos pés, mas no coração também. Introvertida. Blogueira old school.

good reads

@ carol c. [rolê do amor]
@ nicas
@ nati n.
@ line
@ lari
@ lomogracinha
@ fernanda n.
@ paula b.
@ thais h.
@ tany
@ lia f. [verbo ler]
@ maria t.
@ simone pearl
@ anne r. [cat loves vinyl]
@ bruna
@ pamela
@ lecticia
@ gesiane
@ chris m.
@ meire k.
@ carlos & denise

the past



extras

the simple life