HOME | SOTMB | VY.COM.BR


#beda: mas afinal, o que faz um turismólogo?
quinta-feira, 11 de agosto de 2016 at 10:30
4 comments

Apesar de ter sido uma carreira concorrida na Fuvest na minha época, ainda hoje pouca gente sabe o que é mesmo de verdade que a gente faz.

Na faculdade, minha formação foi "holistica". Tive aulas de patrimônio, de cultura, de ética e legislação, de agência e hotelaria, de economia, finanças e planejamento. O foco mesmo é a pesquisa (como toda a USP), até porque o mercado do turismo não exige formação academica obrigatória.

Entrei na faculdade focada em hotelaria, mas queria usar a oportunidade pra passar por tudo o que fosse possível. Claro que ao longo do tempo fui endo que certas áreas não eram pra mim. Existe o agenciamento, e dentro dele os segmentos de lazer e corporativo. Existe a hospitalidade, que inclui a hotelaria, mas também inclui outros equipamentos ligados ao entretenimento, ou a área de alimentos e bebidas. E claro, a pesquisa e o planejamento, que incluem essaspesquisas que saem no jornal, ou pesquisa que sai em periódico da área. Ou áreas ligadas ao governo, como secretarias, ministérios e orgãos de fomento a atividade. Além de outras como aéreo, cruzeiro e eentos, entre outros,

Eu meio que acabei sempre indo pra agenciamento. É a área que emprega mais e que dá mais oportunidades pra turismólogos. Trabalhei em operadoras pequenas, em agência de intercâmbio e no mercado de luxo. Mas também consegui oportunidade de trabalhar com mobilidade estudantil e hospitalidade, que era a minha meta maior.

O único motivo pelo qual eu não fui definitiamente pra área de hospitalidade e hotelaria é que o turno é 6x1. Eu amo mesmo hospitalidade, mas é difícil ter que sacrificar a vida social pelo trabalho, e ainda mais que não se paga bem em nenhum hotel (fiz estágio em um hotel super pequeno, mas que no fim pagava a mesma coisa que o hotel grande e luxuoso onde eu também fiz entrevista na época).

O que confunde muita gente é que eu trabalhava em uma operadora que também tinha agência. Nesse caso, a gente não só vendia o pacote, como montava ele inteiro, tendo menos intermediários possíveis. O que eu fazia era essa intermediação, entre o local que o passageiro visitaria e o passageiro. Porém não era eu que falava com o passageiro. Nesse caso há uma separação de funções pra maximizar o trabalho de cada um. Ainda bem, porque meu forte não é vender pra consumidor final! Eu passava meu dia montando roteiro personalizado, enviando e-mails pro mundo inteiro, montando tabela e ocasionalmente falando no telefone com os fornecedores, basicamente.

Eu gostei desse trabalho por um tempo, até a pressão de ajudar a vender mais (leia-se, fazer o trabalho mais correndo) começou a pesar e tirar toda a graça da coisa. Eu tive sorte de trabalhar em lugares em que eu recebia muita informação, em que eu sentia que estava aprendendo mais sobre o que eu estaa fazendo sempre, mas uma hora nem todos os benefícios compensavam a realidade do dia a dia da minha posição. Porém ainda existe uma área, que não é diretamente atada a vendas, que eu gostaria de explorar e hoje eu acho que tenho capacidade de faze-lo, que é a área de produtos e desenvolvimento. A área que "cria" a viagem, que descobre os novos rumos das viagens.

A verdade é que no fim das contas, a gente sai achando que a faculdade de Turismo nem deveria existir, deveria ser uma extensão de alguma outra coisa ou então uma pós só, já que aqui no país ninguém leva a sério a área de pesquisas sociais (quando muito dão algum espaço pras "cientificas") e no mundo corporativo não há exigência do diploma.

Mas eu reitero que eu amei fazer faculdade, tá. Só o curso que no fim das contas não fez tanta diferença no meu desenvolvimento técnico (eu poderia ter aprendido a fazer o que eu faço independente da formação).

Este post faz parte do BEDA - blog everyday august. Se quiser conhecer mais gente que está  se aventurando nesta loucura ou precisar de um grupo de apoio pra continuar firme e forte na ~blogueragi~ clica no banner!

Marcadores: ,

that would be me. bye!

about the girl

Pode me chamar de Vy. Balzaquiana com cara de universitária. Turismóloga de formação. Rodinha não só nos pés, mas no coração também. Introvertida. Blogueira old school.

good reads

@ carol c. [rolê do amor]
@ nicas
@ nati n.
@ line
@ lari
@ lomogracinha
@ fernanda n.
@ paula b.
@ thais h.
@ tany
@ lia f. [verbo ler]
@ maria t.
@ simone pearl
@ anne r. [cat loves vinyl]
@ bruna
@ pamela
@ lecticia
@ gesiane
@ chris m.
@ meire k.
@ carlos & denise

the past



extras

the simple life