home | sotmb | vy.com.br


sexta-feira, 2 de março de 2018 at 10:30
1 comments
#eufui: foo fighters + qotsa - são paulo 2018

Esse espaço é democrático e tem espaço pro pop e pro rock. E terça foi dia de rock, bebe!


Não sei dizer porque é que resolvi que tinha que ir no show do Lollapalooza em 2012, só sei que aquele dia mudou pra sempre a minha vida. Foi ali no gramado do jockey que virei fã da banda. E desde então eu e minhas amigas resolvemos que sempre iríamos nos shows deles quando eles viessem pra SP.

Em 2015 estávamos lá no Morumbi (bosta de estádio!!!) e 3 anos depois, na porta de casa (Allianz, te amoooo!) não poderíamos perder!

Confesso que não curto muito QOTSA e nem fazia questão de vê-los, muito menos achava necessário ter banda de abertura. Os portões abriram as 16h e o Ego Kill Talent tava marcado pra subir no palco as 18h. Às 18h encontrei uma das minhas amigas ali perto do estádio e quando entramos a banda de abertura ja estava tocando. Pontualíssimos. Não conheço muito eles, mas a música não é ruim.

Os ingressos não estavam nada baratos, então pegamos o setor mais em conta, a cadeira superior. Pontos pro Allianz ter escada rolante! Afe, odeio subir escada, PAGO pra não ter que subir escada (literalmente, subi até a igreja da Sacre Coeur de Montmartre de bondinho porque me recusei a pegar aquele monte de escada)!

A outra amiga nossa e uma quarta só chegariam bem mais tarde. A gente tentou, mas não teve como segurar tantos lugares por tanto tempo (ainda tinha os respectivos namorados) e no fim ficamos separados ☹️ 

O som do show de abertura estava ensurdecedor e por um momento tememos por nossos tímpanos, mas quando o Queens começou a tocar o som foi ajustado... Ufa!

Como não curto muito, do meio pro fim desse show fui comer algo e usar o banheiro. Paguei uma fortuna por uma Pepsi (ewwww) pra depois descobrir que tinha Coca 😏 E paguei outra fortuna por um hot dog bem meia boca. Ainda me sujei inteira com um ketchup explosivo, mas achei um banheiro limpo e vazio pra me limpar antes de voltar pra minha cadeira. E claro, nessas coincidências loucas dei de cara com uma delas, na entrada errada da arquibancada, já no fim do show do Queens. Infelizmente nao deu mesmo pra gente sentar junto e elas acharam lugar alguns setores mais pro lado (eu e minha outra amiga ficamos mais no meio).

Só levantamos mesmo quando Dave Grohl e cia entraram no palco. Como já tinham tocado no RJ, sabia mais ou menos o que esperar de SP.


Dave Grohl estava inspiradíssimo nessa noite. Tocou como se sua existência dependesse daquele momento. Soava genuinamente feliz por estar de volta. E a plateia respondeu a altura.

Foo Fighters é a grande banda de rock da minha geração. São os quarentões que fizeram o rock que embalou a nossa juventude. Uma banda que sobreviveu todas essas décadas. E no palco eles provam porque merecem tantos aplausos.

A setlist foi bem harmônica, misturando sucessos novos e antigos. Começou com "Run", logo passou para "All my life" passando por coisas como "Rope" e "Monkey Wrench" e alguns covers e muitos jams. Rolou o já tradicional pedido de casamento no palco e, pra minha surpresa, saindo do setlist do RJ, eles tocaram "Generator", "só" a minha música favorita de todos os tempos deles ❤️ Em 2012 quase morri do coracão pulando e gritando quando eles tocaram essa; no Allianz eu queria me jogar da cadeira no palco pra beijar Dave Grohl na boca em agradecimento a essa graça alcançada que é ver essa música ao vivo de novo! Sério, na primeira batida eu arregalei os olhos, olhei pra minha amiga e comecei a gritar e a pular como uma DOIDA, de tanta felicidade que não cabia em mim! Nem consegui fazer um vídeo decente dessa música, minha mão tremia e eu não conseguia parar de pular e gritar! Serião, foi um dos momentos mais felizes da vida, sem dúvidas o meu favorito da noite!!!

Dave Grohl repetiu diversas vezes que éramos a melhor plateia da turnê, que éramos incríveis, os únicos a cantar "Love of my life" inteira com Taylor Hawkins, que achou incrível acendermos um céu de estrelas de flash de celular em "Sky is a neighborhood", e claro, como nosso coro em "Best of you" continuava impecável.

Já era 23h quando eles saíram do palco a primeira vez, mas sem "Everlong" a noite nunca está completa, né? Esperamos sentadas, o telão reacendeu, a banda fez uma graça e voltou com "Dirty Water" do album novo, "This is a call" do primeiro, e se despediu com "Everlong", maravilhosa, sempre deixando aquele gostinho de quero mais.

Setlist

  • Run
  • All My Life
  • Learn to Fly
  • The Pretender
  • The Sky Is a Neighborhood
  • Rope
  • Sunday Rain
  • My Hero
  • These Days
  • Walk
  • Breakout
  • Under My Wheels
  • Another One Bites the Dust / Miss You / Blitzkrieg Bop / Love of My Life
  • Under Pressure
  • Monkey Wrench
  • Times Like These
  • Generator
  • Big Me
  • Best of You
  • Dirty Water
  • This Is a Call
  • Everlong

Marcadores: , , , ,

that would be me. bye!

about the girl

Pode me chamar de Vy. Balzaquiana com cara de universitária. Turismóloga de formação. Rodinha não só nos pés, mas no coração também. Introvertida. Blogueira old school.

good reads

@ nati n.
@ nicas
@ mari
@ lari
@ fernanda n.
@ paula b.
@ tany
@ maria t.
@ gesiane
@ thais h. [projeto disney]
@ aline a.
@ chat-feminino
@ viviane
@ lorraine

the past



extras

splash! of colour