home | sotmb | vy.com.br


terça-feira, 28 de agosto de 2018 at 10:30
1 comments
#euvi: para todos os garotos que amei (to all the boys i loved before)

Eu soou a rainha da comédia romântica e não estou cabendo dentro de mim nesse revival do gênero <3 Outro dia uma amiga contou que pegou o fim de "Notting Hill" na tv, emendando com "Love Actually" e suspeitou que estuvesse por trás da programação, hahaha!

Além desse revival das rom-coms, elas estão trazendo a tal da representatividade leste asiática (além do TATBILB, estreou nos EUA "Crazy Rich ASIANS", o primeiro filme hollywoodiano passado nos tempos atuais em 25 anos a ter elenco principal todo asiático - o último foi o meu adorado "O clube da felicidade e da sorte", também baseado em um livro). Confesso que de asiática eu só tenho a cara, por muito tempo eu não achei que tinha nada de "japa" e até "rechacei" essa idenficiação. É verdade que como nippo brasileira e paulista não enfrento as dificuldades dos asiáticos americanos e basicamente, no Brasil, a comunidade nikkey não é nem vista como um "povo de cor" (é só ver que os japoneses foram trazidos em detrimento da força de trbalho local por uma questão de cor da pele, e que desfrutamos de privilégios parecidos com os dos brancos, além de não sofrermos preconceito que possam impedir de alcançarmos muitas oportunidades sociais), mas representatividade importa, nem que seja pra se senitr um pouco mais confortável nessa fantasia que a mãe natureza nos dá como corpo.

Voltando ao filme, a premissa de "para todos os garotos que amei" é que a personagem principal, Lara Jean, quando tem um crush, ao invés de confessar seus sentimentos, escreve uma carta endereçada às pessoas e as guarda numa caixa no guarda roupa. É, ela escreve e não manda as cartas! Até que um dia... Elas misteriosamente somem e ela é confrontada pelos destinatários sobre os sentimentos no papel. Para piorar só um pouco a história, um dos crushes é o namorado da sua irmã mais velha! Para fingir que ele é passado, ela aceita ser a namorada "de mentira" de um antigo crush que também recebeu as cartas e quer fazer ciúmes pra ex-namorada, de quem acabou de levar uma bota.

Seguindo a linha CMBYN, não existe um enorme conflito ou um perigo iminente que ronda o casal principal. As coisas acontecem e você assiste um relacionamento desabrochar na sua frente. Não é um filme profundo, existencialista, nem nada. É um filme sobre uma história adolescente, que poderia acontecer com qualquer um... Ou não, porque Peter Kravinski é bom demais pra ser verdade, HAHAHA!

O filme é fofo demais, a rotagonista é muito gente como a gente e a história acaba aquecendo os corações. Não é uma obra prima, mas é aquele filme que a gente vê pra se sentir mais feliz com o mundo e com a vida. Tá no Netflix, pra quem já assina nào custa nada, e pra quem não tem... Pede a senha pra um amigo que vale a pena! Ou já faz aquele convite capcioso pro crush pra verem juntos debixo da coberta (que eu sei que anda bem friozinho em várias partes do Brasil!).


Marcadores: , , , , ,

that would be me. bye!

segunda-feira, 16 de julho de 2018 at 08:30
3 comments
hello there?!


Erm... Então, né? Sumi, eu sei... Ainda tô tentando me adaptar e criar uma rotina. Trabalho 11 h, passo 12h na fábrica e passo 14h quase fora de casa, 5 dias por semana. Nessa folga, por exemplo, tudo o que eu queria era não fazer nada, e não fiz mais do que o mínimo obrigatório. Eu ainda vou me acostumar, mas até lá... Pode ser que eu suma de novo. Mas não desistam de mim!

Marcadores:

that would be me. bye!

domingo, 10 de junho de 2018 at 09:29
1 comments
a star colapses - it's a beautiful supernova, far far away

Nem eu imaginava o impacto que Athony Bourdain tinha na minha vida. Conheci o cara vendo quantidades nada saudáveis de tv a cabo na casa da minha mãe, e pra falar a verdade, não gostei dele de cara não. Mas o No Reservations, seu programa na época, era irresistível. Um cara viajando pelo mundo todo desbravando comidas incríveis. E, prestando atenção, usando um texto maravilhoso em cada episódio. Logo virei fã.


No #gordasafada fiz até um texto sobre como ele tinha o emprego dos meus sonhos. Mas ele era mais do que um programa de tv incrível. Com o tempo, seguindo nas redes, descobri um ser humano profundo. Pai, marido, ju jiteiro! Produtor, escritor, empreendedor e um cara capaz de mudar a si e ao mundo. Ele não mostrava só os restaurantes mais conhecidos dos lugares que ele visitava. Ele também ia nas feiras de rua, nos becos, naquilo que merecia de verdade ter destaque, não só pelo ambiente, mas pela história de quem faz da alimentação uma expressão do seu momento, da sua cultura, da sua história.

Seu livro de maior sucesso, aquele que lhe deu a vida que conhecemos hoje, "Kitchen Confidential", relata uma vida intensa, de amor pela comida, pelo novo, pelo diferente, mas uma vida de exessos também, de muito trabalho e abuso de substancias que alteram a percepção da realidade.

Eu o seguia nas redes o suficiente pra pereber que ele tinha se afastado da mãeda sua filha e começado um relacionamento novo com uma atriz italiana. Mas jamais poderia imaginar que ele sofresse de depressão ou tivesse pensamentos suicidas. Como ele era muito sarcástico e rabugento, simplesmente não teria conseguido perceber que ele estava se sentindo mal com o mundo nem que ele dissesse...

Fiquei chocada e arrasada como há muito não ficava com uma notícia quando soube que ele havia sido encontrado morto num hotel. A primeira coisa que veio a mente foi "como assim??? não!!!". É inimaginável um mundo sem Bourdain. Ainda não consegui processar a idéia de que ele simplesmente não existe mais. Que tenha se sentido tão desesperado que tenha achado melhor se suicidar. Aparentemente sem plano. No que parecia o ápice de uma carreira que só conheceu subida. No que parecia o relacionamento com mais amor possível.

Gostaríamos, mas nunca conheceremos nossos ídolos como gente, eles sempre estarão num pedestal inalcansável, como um modelo dos nossos sonhos. 

Hero, you are deeply, sorely missed. The world is darker.

Marcadores: ,

that would be me. bye!

segunda-feira, 4 de junho de 2018 at 10:30
0 comments
chegando em tokyo, shibuya

Acho que quanto mais eu me preocupo com jetlag, mais eu sofro. Fiz todo um esquema na minha cabeça de quando eu devia dormir e tal pra ver se não sofria, mas sofri.

Como contei anteriormente, cheguei bem rápido do aeroporto pro meu Air b'n'b. Dos que já fiquei, esse foi o mais simples, mas está ok. Deu pra tomar um banho e cair pra rua de novo.


Como era fim da tarde, resolvi ir pra Shibuya. Estava cansada, e essa é uma área que eu conheço, então sabia que não ia ficar tão perdida e não ia precisar me esforçar pra fazer nada. 


Cheguei, e como era sábado a noite, estava lotado. Fui direto pra Loft, uma rede de papelarias enorme, com tudo o qe se possa imaginar, porque queria comprar um Hobonichi, um planner famosinho pra quem curte bullet journal mas não quer ter que fazer as páginas na mão. Como sou meio tosca (e não falo nada de japonês) quase comprei coisa a mais que não deveria, mas como aqui as pessoas são muito honestas mesmo que não te entendam, me explicaram que a capinha que eu estava comprando já vinha com a agenda que eu queria comprar, hehe...

Dei uma volta muito rápida. chechei umas 20h e a loja fechava 20h30. Masé enlouquecedora, tem umas washi tapes maravilhosas, e nem vou contar dos adesivos, que a criança em mim quer voltar lá agora e se banhar de adesivos!


De lá, sabia que estava perto de um lamen-ya de uma rede famosa, o Ichiran. Muita gente já deve ter visto, é um restaurante onde se senta em balcão fechado, tem uma janelinha na frente onde a comida é servida e você não tem que interagir com ninguém! É bem fomoso, tem muito gringo, mas vale a pena, não é caro e é bem gostoso.


Antes de ir embora, tentei subri finalmente no Starbucks do Tsutaya, que fica bem de frente pro famoso cruzamento. Em 2015 ele estava fechado e fiquei frustrada. Dessa vez subi, mas não tinha onde sentar, mas tudo bem, cumpri esse item da lista das coisas que queria fazer!


Na volta entendi porque a estação estava tão muvuca. Estão mudando um dos trilhos e a conexão pra muitas outras linhas está sendo por ali, como é uma linha que se liga a muitas outras e está servindo como ponto final.

Shibuya é sempre um pouco enlouquecedor por causa do barulho, saí meio desorientada, mas é sempre um prazer voltar <3

Marcadores: , , ,

that would be me. bye!

quarta-feira, 30 de maio de 2018 at 10:00
0 comments
voa, voa aviãozinho: 24h no ar, sala vip na terra

A aventura comecou!!! Quinta-feira passada embarquei com destino a terra do sol nascente... E ao resto do mundo! Mas claro, não sem antes uns percalços.


Começa que toda vez que resolvo viajar, o dólar explode. Por sorte, dessa vez, fiquei só na compra de yen, que estava bem estável. Mas ainda assim, esse cenário de incerteza econômica nunca é muito bom.

Aí, já que a subida do dólar não foi suficiente, veio a crise do abastecimento poucos dias antes de eu embarcar e eu quase achei que ia ter que ir a pé pra GRU! Minha mãe me fez sair de casa muito mais cedo do que o normal por medo de trânsito na estrada e até falta de combustível!

Almocei 11h no dia do embarque, pra pegar um ônibus saindo da roça as 13h. Os ônibus estavam desviando pela Carvalho Pinto pra evitar qualquer paralisação no caminho e com isso chegamos na hora normal, ou seja, cedo pra caramba!

As coisas no aeroporto são meio caras, ne, e uma vez me surpreendi de descobrir que até o Starbucks é mais caro lá! Como eu tenho cartão fidelidade, acumulei pontos pra tirar bebidas grátis lá. Sabiam que dá pra comprar até água com pontos? Hahaha! Foda que não tinha meu chá na loja em que paramos =(

Ficamos um tempão esperando pelo check in e mais um tanto pelo embarque. As últimas horinhas com mamys por um tempo indeterminado! É muito estranho pensar nisso, porque nunca não tive data pra voltar...

O cara do check in foi simpático, mas poxa, nem pra me dar um upgrade? XD O vôo estava lotado... Ou é todo mundo fugindo ou a crise só fode pobre mesmo... E o mesmo cara me embarcou, foi simpatico de lembrar de mim!


Antes do embarque fui com mamys no Carl's Jr. Ela tem essa coisa de passar meio mal com qualquer hamburguer, mas esse ela experimentou quando meu irmão embarcou e foi aprovado! Fora que ali dentro é uma das alternativas mais em conta...

A minha sorte nesse vôo foi que não tinha ninguém no assento do meio e foi bem mais confortável de voar com esse tanto de espaço. Rolou até um cochilo! Também acabei assistindo "I, Tonya" pelo entretenimento de bordo e foi divertido.

Estava um pouco apreensiva pela imigração no Canadá porque não sabia como seria essa coisa de visto eletrônico, mas no final o maior problema foi achar o lugar certo de fazer a imigração mesmo, haha! Em Toronto eles têm portões específicos pra quem tá lá só pra conexão em que a gente só passa numa máquina, é muito rápido!


O terminal internacional não é muito grande, mas já tinha pesquisado sobre uso de sala vip e depois de uma voltinha rápida, fui lá pagar pra passar meu tempo numa poltrona confortável, num ambiente quieto, com comida e bebida a vonts e... Uso de chuveiro!!! Eu não sei vocês, mas poder tomar um bom banho entre vôos tão longos é uma benção! Das outras vezes sempre chegava acabada no Japão, me sentindo imunda. Poder tomar esse banho foi im presente, fora que ajudou a ficar desperta até o próximo vôo.


Tanto em GRU quanto em YYZ parece que só esperaram eu chegar no portão pra começar o embarque! E olha que nem entrei tão em cima da hora assim!

Nesse vôo não tive a mesma sorte de viajar com espaço, mas pelo menos o cara do meu lado foi bem simpático e conversamos um pouco, enquanto comiamos ou então só esperávamos o tempo passar mesmo.

Deu pra cochilar sim, e aproveitei pra editar uns vídeos. Longe de mim querer ser YouTuber, mas quando vejo vídeo de viagem sinto que gostaria de ter esse tipo de memória das minhas, e também porque assim dá pra mostrar as coisas melhor pra minha mãe =)

A chegada em Haneda foi bem tranquila. Nunca tinha chegado nesse aeroporto,e gostei bastante. Como tenho visto de residente, passei por uma fila especifica e já sai com meu cartão de estrangeiro. Muito melhor pra carregar do que o passaporte (sempre tenho medo de perder quando saio com o meu).

Claro que minhas malas foram as últimas da esteira =/ E como estava com muita mala (no fim, escolhi voar pela Air Canada por ser uma das únicas cias que ainda permitem bagagem de 32kgs e minhas malas simplesmente não tinham espaço pra tanto peso e acabei pagando item extra) o cara da alfândega ficou perguntando porque eu tinha tanta mala e me fez abrir uma delas pra ver que só tinha roupa.

O plano era ja despachar as malas maiores pra casa do meu irmão do aeroporto usando um serviço chamado Takyubin (ta-q-bin), o que foi super fácil porque logo no desembarque já tem um balcão da JAL ABC pra fazer isso, com gente falando inglês. Minhas malas tinham em torno de 25kgs cada e o total pra despachar as duas ficou menos de 5mil ienes, e chegou no dia seguinte pro meu irmão.

Logo na saída também ja tem o monorail que leva pra Tokyo. Sabe aquilo que o picolé de chuchu imprestável deveria ter feito pra GRU? Pois aqui é uma realidade (em Narita também). Comprei meu Suica (que é tipo o bilhete único dos trens) e embarquei rapidinho. Escolhi um air bnb bem na estação final do monorail, e a viagem não levou nem 15 minutos ;)

Marcadores: , , , , , , ,

that would be me. bye!

quinta-feira, 24 de maio de 2018 at 08:30
0 comments
sayonara! au revoir! see you!

Quando este post for ao ar... Eu já estarei no ar! No avião! Rumo ao Japão! Eu não quis dar muitos detalhes nas redes nem aqui por motivos de segurança. Infelizmente tem gente mal carater que ainda acha que quem vai pro Japão vai pra ficar milionário, e a verdade é bem outra: a gente vai pra ralar pra caralho e não volta com muita coisa.

Como alguns sabem, meu irmão já está lá, ele ficou um tempão desempregado e pra poder pagar as contas, ele se submeteu a essa vida de chão de fábrica. Eu fui demitida no fim do ano passado, e então resolvi ir porque infelizmente a minha profissão não é reconhecida, a gente rala pra caralho, se prepara muito, pra ganhar mixaria, e ficando no Brasil eu nunca ia conseguir juntar dinheiro pra realizar meus sonhos.

Quem me conhece sabe que eu nunca gostei de ir pro Japão trabalhar, sofri um monte das vezes que fui, mas quando a gente põe um sonho na cabeça, tem que se submeter ao que for pra conseguir realizar. E eu nunca fui de desistir diante de um desafio!

Espero conseguir postar com alguma frequência pra contar um pouco das agruras e até fazer uns vídeos pra mostrar as coisas interessantes da vida no Japão, então quem quiser, pode continuar seguindo aqui, no blog de viagem e no YouTube ;)


Marcadores: , ,

that would be me. bye!

terça-feira, 15 de maio de 2018 at 10:30
0 comments
minha festa de despedida

Nessa vida eu já fiz algumas festas de despedidas. Das pequenas (quando fui pra Disney por 3 meses) às grandes (quando não sabia quando voltaria da Inglaterra).

Agora a coisa tá mais séria. Eu tô indo, pela primeira vez na vida, com uma passagem só de ida, sem data pra voltar, literalmente!


Fui dizer au revoir pros meus amigos no "Quintal do Espeto", um lugar muito prático: rodízio de espeto com comanda individual. Tem todo tipo de espeto, agrada carnívoros e veganos, tem de suco a cerveja e outras bebidas misturadas e rola até uma música ao vivo. O couvert é bem amigo, só cincão. Os únicos contras é que é cheio de família, é enorme e as vezes o som é meio alto. E a menos que tenha um aniversariante no grupo, não dão VIP e nenhum agrado =(

Mas o que importa é que meus amigos foram e fizeram do meu último dia em São Paulo um dia especial, cheio de amor e carinho <3


Não tirei foto com todo mundo, infelizmente, o que só gera mais desculpa pra irem me visitar lá do outro lado do mundo ou pra onde quer eu vá!


Eu tenho amigos maravilhosos, mesmo os que não puderam ir me mandaram mensagens, me fizeram me sentir querida e me dão mais aperto no coração de ir embora... Mas viajar é preciso! E tenho certeza de que vou encontrar todo mundo mais vezes ainda nessa vida, porque nossos corações estão todos misturados e a gente precisa botar todo esse amor pra rodar!

Marcadores: , , , ,

that would be me. bye!

about the girl

Pode me chamar de Vy. Balzaquiana com cara de universitária. Turismóloga de formação. Rodinha não só nos pés, mas no coração também. Introvertida. Blogueira old school.

good reads

@ nati n.
@ nicas
@ mari
@ lari
@ fernanda n.
@ paula b.
@ tany
@ maria t.
@ gesiane
@ thais h. [projeto disney]
@ lari p.
@ aline a.
@ chat-feminino
@ viviane
@ lorraine

the past



extras

splash! of colour