HOME | SOTMB | VY.COM.BR


#euvi: animais fantásticos e onde habitam
sexta-feira, 2 de dezembro de 2016 at 14:47
0 comments

Como potterhead de carteirinha, não poderia deixar de assistir a mais um filme com selo da JK Rowling de enredo mágico, né? Afinal, eu me senti órfã, em 2011, quando saiu o último Relíquias, e poder ouvir de novo, no cinema, o tema da Edwiges acompanhando o logo da Warner, era um sonho...

Confesso que fiquei meio cética quanto a história, ainda mais depois de Cursed Child, e apesar de demorar 1 semana pra decidir ver no cinema, finalmente sucumbi e fui. Sozinha.

Se eu deixei de ver algumas animações porque não consegui achar sessão legendada, pra Animais Fantásticos tava difícil achar sessão 2D. No fim fui ver 3D mesmo por causa do horário, mas já começo dizendo que foi totalmente desnecessário. Se você puder, economize seu dinheiro e vá numa sessão 2D.

Bom, se ainda existe alguém que não sabe, Animais Fantásticos e Onde Habitam é um filme sobre o mundo bruxo da JK Rowling. Nele, acompanhamos a viagem de Newt Scamander, um magizoologista (estudioso de animais mágicos) inglês, a Nova York, onde, numa confusão, sua maleta mágica que abriga os animais fantásticos é extraviada e aberta, causando uma pequena confusão na cidade.



SPOILER ALERT!!! Não passe dessa linha se não quiser saber mais sobre o filme!!!

Eu consegui fugir por 1 semana inteira sobre qualquer spoiler do filme, eu realmente não sabia o que esperar, além do que eu contei ali em cima, quando entrei no cinema.

E já no começo o espectador é bombardeado com menções a Grindewald, aquele ex-amigo do Dumbledore que o Voldemort vai interrogar pra saber mais sobre a varinha das varinhas. É tipo uma contextualização sobre a época em que o filme se passa.

É 1926, entre guerras, e NYC está sendo aterrorizada por “vândalos” que estão destruindo várias propriedades pela cidade. Logo descobrimos que o Congresso Americano de Magia, a MACUSA, está investigando os casos, junto (ou em paralelo) com a polícia “trouxa” local.

E quem viu os traillers já sabe que os americanos não chamam os não bruxos de “trouxas”, e sim de “no-maj” (não mágicos), o que é bem estranho, mas eu entendo, afinal, a própria língua inglesa “trouxa” tem tantas diferenças de cada lado do oceano...

É no meio dessa confusão que Newt se encontra, e todo o imbróglio sobre a sua maleta não ajuda a facilitar a sua vida e a vida dos nova-iorquinos (trouxas ou bruxos). Pra piorar a história, tem uma mini seita, fundada por uma mulher (que poderia ser a versão extrema do tio Walter) que odeia bruxos e quer que eles sejam banidos da terra (trazendo de volta a história os julgamentos de Salém, em que pessoas foram queimadas vivas), e pra isso, tenta recrutar crianças carentes, além de adotar crianças “problemáticas”.

A maleta do Newt não é exatamente a coisa mais segura do mundo, já que os animais mais espertinhos conseguem abri-la pra fugir, e é claro que isso acontece. Mas pra piorar a situação, ele PERDE a maleta. E uma ex-aurora acaba percebendo toda a situação e fica no encalço de Newt, tentando fazer com que seja julgado, já que, dentro dos EUA, ele está cometendo um crime (nessa época os bruxos deveriam se esconder ao máximo dos trouxas e qualquer um que deixasse escapar qualquer traço de magia deveria ser punido).

Mas claro que Newt, sendo o personagem principal da história da JK, não é um seguidor de regras. E vai se esquivar de sua algoz, principalmente porque está preocupado com seus animais fugitivos. E já que nada é fácil pra nenhum herói, ele tem que carregar junto o Jacob, o cara que levou sua maleta embora por engano e deixou os animais escaparem, e que é um pouco atrapalhado com a VIDA (além de ser um trouxa meio sem noção de absolutamente nada – mas baum coração, tá?).

Tudo isso por si só já dá um bom filme, principalmente no que concerne os animais fantásticos, e eu teria ficado bem feliz se o filme fosse só sobre a viagem do Newt e sua maleta, mas como eu falei ali em cima, ainda tem a “coisa” que anda tocando o terror em NYC e a ameaça de Grindewald (na linha do tempo, ele já brigou com Dumbledore e está tentando dominar o mundo).

Você não precisa ser um gênio pra deduzir que a maluca da mini seita adota crianças que ela acha que são bruxas pra tentar “exorciza-las” e “endireitá-las”, e que isso, claro, não pode dar certo. E daí pra deduzir que quem anda tocando o terror em NYC é um de seus filhos não é difícil. Lá na MACUSA a ex-aurora esbarra não só na presidenta, mas em um de seus braços direito, o Mr Graves, que logo é revelado como meio que um agente duplo, com uns motivos bem obscuros, e pra descobrir a real identidade dele também não é difícil.

Essas coisas não estragam a história, mas fico pensando que elas tem um peso bem importante já nessa narrativa, o que pode eclipsar a participação do Newt na saga... Ou que pode levar a saga a tomar uma curva que fuja da temática original. A JK já disse que, no termo original, os “animais (monstros) fantásticos” podem ser não só animais, mas os nossos monstros internos, mas mesmo assim...

Quanto aos animais do título, pelo menos nesse primeiro filme, eu adorei conhecer um pouco mais da fauna bruxa, tem cada coisa incrível e linda, ou mesmo fofa, e me senti meio Jacob quando eles entram na maleta, bem maravilhada, e gostaria que aparecessem mais animais diferentes ao longo dos próximos 4 filmes, além do retorno de alguns que já apareceram em Harry Potter.

Eddie Redmayne já é um dos meus atores “novos” queridinhos e ele está ótimo nesse filme, tem uma coisa de “desabrochar” do personagem ao longo da história (no sentido de conhecermos ele melhor e ele se mostrar mais “aberto” com o tempo) e eu espero vê-lo muito na tela!

Jacob a principio parece só ser um alívio cômico, mas o personagem é genuinamente doce, sensível e fofo. Ele é atrapalhado e um serumaninho sem noção, mas não achei nada caricato, e no fim, você torce por ele e fica com vontade de ter uma pessoa coração baum assim na sua vida. Espero que o personagem volte, nem que seja pra fazer uma pontinha, nos próximos filmes, e que ele fique mesmo com a Queenie #otp

A única coisa mesmo que me incomodou é a participação do Johnny Depp na história, porque eu imaginava o personagem dele totalmente diferente. Já vi gente pedindo pra trocar por Tom Hiddleston, e eu não me oporia a isso. Afinal, se a gente teve que engolir Michael Gambon que não se deu ao trabalho de procurar saber mais do seu personagem e fez um Dumbledore totalmente fora de si, acho que a história não sofreria com essa transfiguração (aliás, JK anda abusando dessa história de pessoas se transfigurarem em outra sem poção polissuco – já basta o próprio Harry em Cursed Child!!!). Mas eu sei que, a menos que ele MORRA, Johnny Depp continua na saga até o fim...


A gente reclama muito, mas no fim, acaba lá que nem trouxa no cinema pagando o que for pra continuar acompanhando esse mundo mágico.

Marcadores: , , , , ,

that would be me. bye!

about the girl

Pode me chamar de Vy. Balzaquiana com cara de universitária. Turismóloga de formação. Rodinha não só nos pés, mas no coração também. Introvertida. Blogueira old school.

good reads

@ carol c. [rolê do amor]
@ nicas
@ nati n.
@ line
@ lari
@ lomogracinha
@ fernanda n.
@ paula b.
@ thais h.
@ tany
@ lia f. [verbo ler]
@ maria t.
@ simone pearl
@ anne r. [cat loves vinyl]
@ bruna
@ pamela
@ lecticia
@ gesiane
@ chris m.
@ meire k.
@ carlos & denise

the past



extras

the simple life